FANDOM


17/02/19 - UM SACRIFÍCIO PELA DOR

Todos permanecem na casa de Gehrim enquanto ele pega 2 a 3 peças dos 12kg de prataria que Grundor carregou, joga o restante fora, pega os couros, as moedas de ouro grossas e as pedras e sai rumo ao mercado para vender os espólios do grupo, quando retorna ele chega com um saco cheio de ouro e divide da seguinte forma:
- Raham: 3 moedas de ouro
- Vindalf: 10 moedas de ouro
- Bifus: 6 moedas de ouro
- Oror: 10 moedas de ouro
- Alice: 6 moedas de ouro
- Hector: 3 moedas de ouro
- Gehrim: 10 moedas de ouro
- Grundor: 10 moedas de ouro
Em seguida pega uma das moedas do Grundor e fala, ""Esta é para reparar o machado"".
- Grundor: -1 moeda de ouro

Gehrim, Oror e Alice saem pela capital anã em busca de suprimentos, uma armadura melhor para Alice e um Elmo e Escudo para Grundor.
- Elmo e Escudo = 14 gp (Gehrim consegue a 9,1 gp)
- Armadura = 5 GP (Gehrim consegue a 4,82 gp)

Raham, Vindag e Bifus vão para a taverna

Oror paga o pangaré comido por Luff, o lagarto de estimação da Alice.
- Pangaré morto = 20gp

Gehrim, Oror e Alice vão ao laboratorio de Budrik e coletam algumas pedras na mochila de Gehrim.

Grundor e Hector ficam na casa de Gehrim, Hector começa a ler os livros que tinham ali, e quando vai guardar um, Grundor não deixa q Hector pegue e fica por isso mesmo.
Hector fica estudando a aranha que havia coletado.

Com todos devidamente equipado, partem para Mirailha, passando pelo Túnel de Asgard, depois de algumas horas de caminhada, um barulho estridente de metal toma todo o túnel e passa por eles um carrinho a toda velocidade com 4 anões dentro, Grundor consegue reconhecer Lorde Khaor no carrinho e fala para todos.
Algum tempo depois, avançam pelos túneis e coletam alguns recursos enquanto Alice fala com a perereca rosada.

Gehrim:
- 2 pepitas minusculas de ouro
- 2 pepitas grandes de ouro
- 1 pepita minuscula de Magnetita

Alice:
- Ervas e cogumelos grandes


Grundor:
- Ponta de Lança

Ao voltarem para o caminho, há guardas por toda parte, mas Oror é bem conhecido naquela região e com bom trato social consegue liberar a passagem sem muita dificuldade.
Ao chegarem em Mirailha, ja na madrugada do dia 10 do calendário anão, os portões pricipais da cidade parecem estar fechado, Grundor tenta bater mas parece não haver guarda nenhum ali, então Grundor convence os herois a tentarem outro portão, ao chegarem ele esta todo destruido, então todos entram na cidade e são surpreendidos pelo cheiro de guerra, corpos mutilados e cadáveres de todos os tipos estão espalhados por toda a cidade.
Mais a frente, um barulho de ferro, gritos e grunhidos. Soldados de forja rubra estão cercando uma criatura enorme, um lobo horrendo em duas patas se defende de uma roda de anões com lanças.
Alice anuncia que aquele é na verdade Barney, seu irmão mais novo. Oror lança um comando para cessar o ataque, mas os soldados de forja rubra o ignoram.
Inicia-se uma batalha ali e os anões invasores vao caindo um a um, quando não há mais nenhum Barney ataca Oror que consegue se defender prontamente, logo em seguida Alice o acalma e algum tempo depois ele retoma sua forma humana.
Barney comenta que achava que Alice havia morrido, e que não se lembra com clareza como se transformou naquilo. Comenta que Alice precisa retornar à casa deles pois seu pai tem algo importante a lhe dizer. Alice se dirige a Grundor e comenta que durante a batalha pode perceber que o machado preso a seu braço sugava a alma dos inimigos abatidos.
Mais a frente há mais anões lutando, ao chegarem perto veem que há soldados de Mirailha lutando com os anões de forja Rubra, e o grupo entra no combate, todos estavam muito cansados e apesar da vitória, Grundor e Oror saem da batalha muito feridos. E Oror consegue nocautear 2 anões, logo em seguida ele pede aos soldados de Mirailha que não os executem, pois tem pretensão de inquiri-los assim que possível.
Os aliados se reagrupam no castelo do rei Davi. Quando Grundor e Oror chegam próximo das montarias veem que elas parecem estar imobilizadas, ao se aproximar Raham sai de dentro de uma das casas e comenta que algo o deixou profundamente assustado durante a batalha, mas não consegue dizer exatamente o que foi, seu estado catatônico era refletido nos animais que ele foi incumbido de vigiar, eles estavam estáticos e com olhos vidrados, sinal de algo que os deixou profundamente aterrorizados.
Após o fim da batalha, Gehrim e Oror percebem que Grundor não está mais com o machado, Grundor então diz que o machado se liquefez e se tornou um bracelete negro que ele não consegue remover.
Oror tenta fazer um desenho que havia visto no livro dos Ming nas costas de Grundor, mas cre que aquele não é seu melhor desenho.
Dentro do castelo Grundor se direciona ao salão real e volta equipado com armas dadas pelo rei Davi.
Alice volta a treinar sua montaria, agora em ataque.
Oror e Gehrim interrogam os prisioneiros que diziam estavam sob algum controle mental, pois usavam pingentes com pedras vermelhas e não se lembram de nada a praticamente 2 meses. Sabendo disso resolvem ver como andam as coisas em Forja rubra, pois aparentemente mais um reino foi tomado pelos demônios, dessa vez RALGUD rei de forja rubra.
Ao se prepararem para sair, Oror conhece um alquimista menor de mirailha, Hebert, e conta toda a historia das pedras a ele, deixando-o com a incumbência de descobrir mais sobre pedras, e fazer poções, para isso lhe entrega o pingente retirado de um dos soldados de Forja Rubra e 30 dentes de demônio, caso ele consiga fazer alguma poção que poça ajuda-lo.
Após todos terminarem seus afazeres, Grundor vai procurar por Hector em seus aposentos junto com todo o grupo, ao abrirem a porta Oror vê que Hector estava lendo os livros que deveriam estar na casa de Gehrim, Grundor fica surpreso pois lembra ter impedido que Hector os roubasse.
Hector então diz que muitos daquelas informações deveriam ser transmitidas por todo o grupo, ele diz ser sempre transparente com suas ações e que sua maior curiosidade é sobre sua raça e cultura. Então ele começa a transmitir a todos um resumo do que leu até o momento. Hector diz que aquele livro fala sobre os elfos avisarem os anões sobre uma montanha que cairia do céu, diziam que seria o fim de toda civilização da superfície se esta montanha chegasse a eles. E que os Anões não deram atenção aos elfos e os Humanos pediram ajuda, humanos e elfos se reuniram em varias localizações e iniciaram rituais simultâneos, durante esse ritual, muitos humanos não resistiram e acabaram morrendo e muitos Elfos sacrificaram parte de sua força vital para combater essa montanha, ainda foi pouco, não conseguiram reunir força o suficiente para destruir o mau, o máximo que conseguiram foi desviar a montanha para o mar, e ainda assim acabou colidindo com uma cidade anã.
e termina com:
"Você acha que todo o grupo não deveria saber sobre isso Oror 🤨?"
E complementa...
"Porque essas informações estavam sendo escondidas do grupo? Isso é caso de sobrevivência coletiva, Oror"
Nesse momento Grundor sai da sala, uma vez que todos combinaram de sair a noite de mirailha...

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.